quarta-feira, 9 de Setembro de 2009

o abc do mArKeTiNg sExUaL



Há pois meus caros, longe vão os tempos em que falar do sexo ou melhor do amor, era tabu nestas terras conquistadas por D. Afonso Henriques
Já ouviram falar de marketing sexual? Não?
nem eu...por isso tudo o que escrever...façam de conta que é verdade.

A necessidade do marketing tem tido o mesmo sintoma que a obesidade em Portugal...vai crescendo, crescendo...até que qualquer dia já não haja Happy Meal que se coma.
Pois e aonde é que isto se relaciona com o acto sexual do marketig? (pergunta Capuchinho Vermelho).

- (Muito prontamente o Lobo Mau responde): Tem tudo, meu caro Capuchinho, ora vejamos,
para quem pensa que o marketing anda flácido neste sector muito se engana....eu até acho que o marketing pode ter nascido com o sexo, traduzindo, dizem que a prostituição é a profissão mais antiga do mundo...mas cá para mim o marketeer impôs primeiro, mas isso são outras estórias.

Quem é a Cicciolina do Marketing? O nosso querido Philip Kotler!



















Quem é o Alexandre Frota em Portugal (supostamente)? o Carlos Coelho!





Outro objecto de comparação para este tema tão preverso, é o orgasmo, da mesma forma que o orgasmo da mulher e do homem são diferentes, o do homem é caracterizado como momentaneo, o da mulher como prolongado podemos relacionar tal e qual como o mesmo comportamento que estes dois sexos têm no acto da compra. A mulher envolve-se em alto contexto naquilo que compra, já que vai todas as lojas que existe em duzentos metros quadrados para comprar com muita sorte apenas uma peça de roupa, enquanto o homem entra, pega em algo, paga e vai-se embora.



Ou mesmo um relacionamento, ora vejamos, apaixonam-se porque ambos satisfazem as necessidades de um para o outro, casam-se para se tornar fieis a marca (cara-metade), têm filhos para tornar a marca "casal" ainda mais forte e poderosa, mas como todos sabemos em marketing existe um ciclo de vida para tudo, e isso acontece nos casais, existe uma fase de declinio, e na qual por vezes trocam a sua Coca-Cola pela uma Pepsi, umas vezes sem o outro saber, depois descobre-se que anda a usar uma marca indevida e acaba no tribunal!

enfim....é a vidaaaaaaaa!




domingo, 26 de Abril de 2009

CENTRO DO DESEMPREGO 2009 - EU VOU E TU?





E fica aqui terminada mais uma etapa....mais um trabalho cumprido pelos meus caros heterónimos: O Lobo Mau e o Capuchinho Vermelho.
Tudo isto foi proposto inicialmente pela cadeira de Gestão da Comunicação e seguidamente a cadeira de Publicidade tudo com a mesma "patroa".
No entanto agora terão que ir para o desemprego (desculpa-me Sócrates) mas são mais dois para a estatística.
Foi com enorme prazer que trabalhei com estas personagens criadas e que me já habituava a elas (ser louco é uma caracteristica necessária num marketeer).. para fazer de conta que foi valioso, podia falar sobre o que aprendi...mas assim termino..

OLÉ

no truth, no pain! :::::: truth is truth!



o que é a verdade? e o que é a mentira?
sera que a verdade é a mentira e a mentira a verdade? é isso que nos pedem...quase!



Verdade significa o que é real ou possivelmente real dentro de um sistema de valores. Esta qualificação implica o imaginário, a realidade e a ficção, questões centrais tanto em antropologia cultural, artes, filosofia e a própria razão. O que é a verdade afinal?

Para Nietzsche a verdade é um ponto de vista. Ele não define nem aceita definição da verdade, porque diz que não se pode alcançar uma certeza sobre isso. Daí seu texto "como filosofar com o martelo".

Mentira é uma declaração feita por alguém que acredita ou suspeita que ela seja falsa, na expectativa de que os ouvintes ou leitores possam acreditar nela. Dependendo das definições, uma mentira pode ser uma declaração falsa genuína ou uma verdade seletiva, uma mentira por omissão, ou mesmo a verdade se a intenção é enganar ou causar uma ação que não é do interesse do ouvinte. “Mentir” é contar uma mentira. Uma pessoa que conta uma mentira, em especial uma pessoa que conta mentiras com freqüência, é um “mentiroso”.

Reparam só...nas definicões que fui encontrar na Wikipedia...a definição de verdade...ou melhor nao existe definição de verdade mas existe definição de mentira...isso numa leitura inicial e espontanea..leva-me a crer que somos melhores a mentir do que dizer aquilo que ainda não tem no "dicionário".

E o quê q isso tem haver com o marketing??? (pergunta o Lobo Mau)

Cala-te que vais para o desemprego!! (responde Vítor)

O marketing é a profissão em cujo objectivo é a satisfação das necessidades do consumidor...mas para ser sincero, na minha opinião...isso não passa de uma valente mentira...o marketing serve para obter lucro da forma e do jeito que tiver que ser...
Há uns dias atrás...fui visitar uma empresa portuguesa...que pelos vistos é considerada o topo em responsabilidade social neste país, é verdade que lá se faz mesmo responsabilidade social...existe uma escola para os filhos dos seus colaboradores, existe uma preocupação ambiental...existe uma união entre os colaboradores..ajudam pessoas com dificuldades...e essas coisinhas...
Mas ao fim de contas...chega-se ao fim e pensa-se? Isto é a Santa Casa da Misericórdia? Nada disso...não é...até porque faz uns valentes milhões ao final do ano..

Eu acho, que nó só a empresa que fui visitar, como todas as outras fazem essas acções de responsabilidade social, porque tem mesmo que ser, porque lhes dá lucro, porque o consumidor obriga. Se o consumidor quer...a empresa faz e ponto final.

Sou eu e mais uns milhões de pessoas que lhe pagamos a casa no algarve, a última série do mercedes...a viagem às Caraíbas...mais do que essas coisas, sou eu e mais alguns milhões que pagamos a responsabilidade social da empresa.

Por isso peço desculpa, se firo susceptibilidades, mas não passa de uma valente "treta" para mim...é claro que é melhor assim porque no fim de tudo até acabam por ajudar alguém...mas no final do episódio quem fica a ganhar são eles!
Isto tudo não passa de uma moda que tornou-se tendência e obrigação!


Já agora, se me quiserem patrocinar o blog...já que bebo imensos cafés enquanto escrevo..não se esqueçam RESPONSABILIDADE SOCIAL!
Professora isto não é para a avaliação!

sexta-feira, 24 de Abril de 2009

preto no branco!

O racismo é a tendência do pensamento, ou do modo de pensar em que se dá grande importância à noção da existência de raças humanas distintas e superiores umas às outras. Onde existe a convicção de que alguns indivíduos e sua relação entre características físicas hereditárias, e determinados traços de caráter e inteligência ou manifestações culturais, são superiores a outros. (Wikipedia)


No ano de 1955 quando Luciano Benetton, tinha ainda 20 anos de idade e trabalhava como vendedor em Treviso. Luciano percebeu que as pessoas queriam cores nas suas vidas, em especial nas suas roupas. Vendeu a bicicleta de um de seus irmãos, comprou uma máquina de costura usada e passou a vender...e viveu feliz para sempre (ironiza MAU, Lobo 2009).

A Benetton nasceu neste mundo com o objectivo de acabar com o racismo (pelo menos parece...). É esta a sua comunicação, é a associação que o consumidor faz quando pensa em comunicação desta marca. Digamos que é a Madre Teresa em versão entidade patronal...
Ora vejamos, Capuchinho o que me consegues dizer sobre esta empresa???



VERMELHO, Capuchinho (2009): Fácil Lobo! A Benetton utiliza desde os seus primiórdios,a USP em toda a sua comunicação, isto é, a vantagem competitiva duradoura da marca, por muito que todos as marcas concorrentes queiram "plagiar" a ideia, nunca irão posicionar da forma que a Benetton está posicionada na mente dos consumidores para a responsabilidade social, nomeadamente a luta contra a pobreza, fome, racismo....a necessidade de efectuar a campanha baseia-se na sequência de apoiar e querer mudar mentalidades.
Os beneficios delineiam-se como emocionais, o consumer insight (falando português) o nervo sensível é a força que uma peça de vestuário Benetton tem....vestindo Benetton, sabe-se que vestimos algo com vontade em mudar o mundo, fazer o bem, vestimos CÔR.
A promessa é o beneficio ao consumidor, a prova é o supporting evidence que conseguem através das execuções públicitárias. O tom da comunicação é sempre demonstrativo esperando alcançar o lado emotivo do consumidor.
A assinatura da marca marça presença como insitucional.

MAU, Lobo (2009), diante à análise à criatividade, pode-se referir que a Benetton utiliza sempre ideias que foram feitas no passados(linha de comunicação coerente), mas que não deixam de ser inovadoras pela simplicidade que a ideia presenteia.
O nome da marca está sempre integrado na mensagem, é inquestionavelmente inseparavel da ideia, mas suspeito, se a Benetton não colocasse o logótipo, uma boa parte dos consumidores associariam à marca.
As campanhas são sempre originais, estando na linha da frente nos problemas, em que o mundo atravessa, como podem ver, na imagem acima que a Benetton tenta intrometer-se na "luta" entre os chineses e o tibetanos.
Por ser uma marca com enorme notoriedade naquilo que faz, actualmente tem uma credibilidade e confiança dos seus consumidores...falando da resistência da mensagem ao uso, pode-se adiantar que é talvez interminavél, como podemos ir ao google e pesquisar campanhas realizadas há vinte anos atrás e reconhece-se como uma ideia inovodora e as causas infelizmente são actuais.
Em suma, a ideia é campanhavél, pode declinar-se para outros meios, mas dificilmente para suportes como a TV ou a Rádio(massas), já que o que importa relativamente é marcar uma imagem e nessa imagem valer mil palavras.
Os custos de produção na produção são relativamente baixos, enquanto as disposições legais por vezes posso atrapalhar, já que a marca tenta entrar com a sua "luta" em lugares que por vezes não é possível.



cirrose???...BEBA COM MODERAÇÃO! SEJA RESPONSAVÉL.....




MAU, Lobo(2009), refere que Alessandro Martini e Luigi Martini em 1863 criaram a bebida que tem tanto de álcool como de alma.
Uma bebida que se caracteriza da seguinte forma (site of Martini):
Today, the Italian style, sophistication and taste of MARTINI® continues to attract many admirers and is enjoyed by fashionable celebrities in the world’s finest bars.

It is the charismatic drink of the truly stylish who know it as...

...the world’s most beautiful drink.

Segundo o site de traduções, isto quer dizer, nada mais nada menos, que é a bebida que continua a ter cada ano que passa, ainda mais volume e consequentemente quota de mercado, e não por qualquer "consumidorzinho" mas sim por gente famosa, celebridades que inspiram e transpiram glamour, elegância....concluindo esta bebida mais do que algo "bebivel", entrega o "status" tanto procurado pelas sociedades deste mundo.

Burocracias à parte....


VERMELHO, Capuchinho (2009), enunciam que relativamente ao tipo de estratégia criativa será a imagem de marca e também abordagem à ressonância que esta bebida traz consigo há pelo menos uma centena de anos, e que por essa mesma imagem de marca que se vem pautando.
Existe sempre uma necessidade constante de criar novas campanhas públicitárias com o intuito de fidelização dos seus consumidores e à procura de novos.
O elemento-chave, o consumer insight das campanhas é o "status" que a Martini encarga numa sociedade. Assim o ponto forte do produto/comunicação são os benefícios emocionais que homens e mulheres dos 20 aos 40, interessados no "lifestyle", reconhecem à marca.
George Clooney o elo mais forte, nada melhor do que ele, consegue espelhar perfeitamente a reacção prentendida nos consumidores! Tem carisma, o miúdo!
O claim atrevo-me a dizer que mais do que o atributo do produto, ou mesmo o beneficio ao consumidor, que são sempre mencionados nas campanha, será a identificação valorizada ou gratificante, isto é o posicionamento socióligo que a marca embarga nos consumidores.
A prova da campanha insiste sempre pelo reason why, sempre baseado numa figura pública que reflicta ultimamente tem sido o Clooney o veiculo da mensagem, mensagem essa sempre com um tom estético e de grande espéctaculo, com a assinatura da marca sendo permanente.

MAU, LOBO (2009), apoia quando se diz que avaliar à criatividade é sempre dificl, já que para mim possa ser, para outros não seja. Mas como sou eu, que tenho de opinar...
O posicionamento da marca é reconhecido nas campanhas, publicitando sempre a oportunidade existente. No entanto, a criativadade, possa parecer, cansativa ou melhor massadora, já que orienta-se sempre pela mesma linha...trazendo uma figura pública em lugares que retractem o tal "lifestyle" e expositem o produto em questão, mas que conseguem diferenciar dos seus concorrentes pelo simples facto de invocar beneficios emocionais que outras bebidas não oferecem, dando assim razões suficientes para acreditar no que a campanha diz.
Por último, a ideia é campanhavél, já que suporta outras execuções no tempo, declinando-se para outros meios facilmente, os custos de produção são sempre enormes, já que estamos a falar de produtos de massas, falamos também em dinheiro de massas.
As disposições legais existentes, passam por: BEBA COM MODERAÇÃO! SEJA RESPONSAVÉL..


Á NOSSA!